Correlações

agosto 23, 2017

Uma folha tem estrutura.

Um prédio, também.

Uma folha tem contorno.

Um prédio, também.

Uma folha desenha o espaço.

Um prédio, também.

Uma folha cai.

Um prédio, também.

Uma folha é sustentada por partes que não são necessariamente de mesma substância, mas são. Uma folha não é uma árvore, mas é.

Um prédio não é cimentotijoloargamassa, mas, na verdade, é.

Uma folha é parte.

Um prédio é todo.

Numa folha dá pra fazer um prédio. Nesse caso, inverte-se o sentido.

Anúncios

Fronteiras

julho 8, 2017

Um rio é uma fronteira.

Uma ponte é uma fronteira.

Um lusco-fusco também é uma fronteira.

 

20170101_205420

[ponte sobre o rio jaguarão]

 

 

 

Hora meia

junho 18, 2017

O dia em intervalo

de hora e meia

Meia hora

é a metade

de aguentar

o dia inteiro.

Recortes de diários #1

maio 19, 2017

17/03/2016

 

 

Em plena crescente

minguo.

O desejo do bodisatva

maio 1, 2017

é o

de não

desejar.

Retrógrado #3

abril 7, 2017

Quando você me amassa os cachos

e me toca a coluna, por fora

topo da cabeça, topografia do corpo:

percorrer as linhas do poema

com os dedos.

retrógrado #2

março 3, 2017

Em tempos de vênus retrógrada cada amante é uma efeméride.

Minha primeira tisana

janeiro 29, 2017

Tive um dia de folga inesperado hoje e estou tomando uma cerveja no sol e lendo um livro que veio parar aqui em casa quase por acidente, da Ana Hatherly:

 

151

Ponho sim ponho já que não posso não pôr na sua ausência o sentido. A autonomia da arte é igual à dos fios no tecido – corte aqui corte ali – é o corte que faz o tecido. Doutro modo haveria só novelos.

 

Acho que vejo assim o mundo atualmente.

Pas de deux

dezembro 18, 2016

Esbarrar no seu olhar

-ocupado no meu-

Uma perna esquerda cuja ponta do pé dentro do tênis resvala no chão, suspensa.

[semíminapausaparêntesenotação]

É preciso respeitar um homem que se escora em seu contrabaixo como um bêbado se apoia nos ombros de um amigo.

Revelações saturnianas

novembro 29, 2016

#5

Porto Alegre é purgatório.

 

#6

Convém não ter medo de colocar os pés no chão

(literal)