To do list

outubro 6, 2017

Pesquisas para o plano de fuga

Atualizar currículo

Fazer portfólio

Nunca ganhar dinheiro

Não fazer a vida

Encontrar um propósito

não tem propósito na vida

Anúncios

Limpar

As pessoas não gostam muito de limpar. Eu gosto, mesmo quando não gosto. O que eu não gosto é que o cotidiano se meta na tarefa de limpar e não possibilite vivencia-la por inteiro. A limpeza é algo que eu posso controlar,  é como se estivesse limpando a sujeira, movimentando a imundície que se havia instalado, numa eterna tarefa de me tornar salubre para a existência em mim, Sísifo. Na limpeza não existe lugar seguro. A limpeza movimenta coisas, especialmente as que têm vontade própria, seis patas e se escondem no escuro. E somos obrigados a lidar com aquilo que se guarda nas sombras.

 

Organizar

 

É porque preciso controlar algo quando já não me controlo que preciso abrir as gavetas, armários, categorizar, alfabetizar, saber onde começa e onde termina. E para que as coisas nas sombras não me surpreendam. Mas esse já é um processo lento e custoso ao qual me dedico apenas pelo prazer do resultado que nunca sei quando virá, mas sei que será efêmero. Eu sempre acho que as gavetas são lugares seguros para se armazenar as coisas de qualquer jeito. É a pressa do cotidiano de novo. Nós não precisaríamos fazer grandes arrumações se tivéssemos tempo para nos mantermos razoavelmente ordenados.

 

Podar

 

Podar é uma atividade meditativa. É preciso estar presente na tarefa. Cortar com cuidado as partes mortas que se mantém pregadas e roubam a possibilidade do crescimento. As heras são trepadeiras. Os galhos se engalfinham uns nos outros e se usam como suporte, borbulham pra fora do vaso, têm uma relação tátil com o ambiente. Assim, sinuosa, requer mais concentração para que não se corte as partes boas com as ruins, aniquilando a possibilidade de renascimento. Toda poda guarda em si a possibilidade da aniquilação. É também necessário saber quando é preciso sacrificar uma parte boa que se encontra ligada a algo desnecessário: recuperar-se é também abrir mão do que parece são.