reverberações

novembro 26, 2015

Cada dia suporto menos a distância do mar. Existe algo muito natural e pacífico na maneira como as ondas se formam, espontâneas. E se quebram, desfazem,apenas para que outras e novas se (re) façam.

Existe algo de muito familiar em molhar os pés no mar. O momento em que ele nos alcança e  já não dá para saber onde termina o pé e começa o oceano. E o chão se desfaz sob os pés (ou talvez sejam eles mesmos que se desfaçam).

Respirar o mar é como estar em casa.

O sal é o domicílio da humanidade em mim.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: