Superexposição

abril 11, 2015

Tenho saudades.

De quando a gente conversava todo dia e eu te disse coisas que nunca consegui contar para ninguém. E de como isso mudou alguma coisa dentro de mim.

Tenho saudades do seu abraço e de te chamar de meu bem. E de ouvir suas histórias. E de falar sobre viver de arte.

Tenho saudades.

Do seu perfil bonito. Do seu corpo definido.

Tenho saudades.

No plural.

É tudo que eu sei dizer.

E que sei que não resolve nada.

De quando leram o seu mapa astral e perguntaram se nós éramos assim.

Nós.