Das trocas

abril 30, 2011

Trocar o amor por garrafas de cerveja.

 O aperto no estômago pelo enjôo entorpecido.

 A confusão pela fumaça do cigarro.

 Todos os meus atos falhos.

 Engolir de uma vez só a vontade de dizer que te amo,

 pra não sentir queimar a garganta.

 Mas falo bem baixinho,

uma vez só,

pra ninguém perceber:

que te amo, ah, como te amo.